Postagens

1800 – O grito da família morta.

Ao longo da minha curta caminhada na cena teatral em Belém pude me deparar com três tipos de obras, todas as três bem distintas e com igual valor artístico. Na primeira o espectador tem diante dos seus olhos todo o desenrolar da história, a sua única missão é observar, o desfecho vem até ele. Na Segunda o espectador é imerso no espetáculo, ele faz parte do ambiente e pode até interagir com os atores, mas não influencia no resultado final. Já a terceira (classe onde esse espetáculo em questão se enquadra) é uma das mais difíceis formas de fazer teatro, é onde o espectador de fato faz parte da ambientação, é corpo artístico tanto quanto os atores, e muitas das vezes, a ele pertence o destino do desfecho. O Coletivo de teatro Zecas, vem apresentar a primeira parte de uma trilogia, e nos mostra o quão profundo pode ser a relação que temos com os lugares em que vivemos. Quando entro na antiga casa que serve de plano de fundo para o espetáculo, recebo de cara um peso em meus ombros, “Faça …

Crítica: O Cortiço.

Imagem
No último final e semana (8 e 9/4) no teatro Margarida Schivasappa foi apresentado a montagem do clássico naturalista O Cortiço, obra do autor brasileiro Aluísio Azevedo (1857 - 1913) que faz um recorte acerca da vida nas estalagens cariocas no final do século XIX. Similar ao livro o espetáculo nos introduz a história mostrando a relação entre João Romão – dono do Cortiço – e a escrava Bertoleza – sua fiel e submissa amante. Aqui temos uma cena demasiadamente longa que poderia ter sido resumida em poucos minutos, não pela carga dramática da cena mas sim pela falta de feeling entre os interpretes; João Romão carrega toda a cena, um bom ator, porém mal aproveitado ao longo do espetáculo; enquanto Bertoleza se resume a fazer caras e bocas estereotipadas. O Black Face me incomodou, é um artificio antigo e que se tornou ofensivo nos dias de hoje. O núcleo das lavadeiras é a melhor parte do espetáculo. Há uma interação grande entre todos os personagens e serve otimamente como alívio cômico pa…